Por uma mobilidade moderna

O pulso de um país mede-se pela forma como as pessoas se movimentam. Para o trabalho. Para a escola. Para o hospital ou para visitar um familiar. Não importa porquê, com quem ou para onde, estamos em constante movimento. Como? Como quisermos. Como nos for mais prático. Como conseguirmos poupar mais tempo e dinheiro, da forma que nos for mais conveniente.

No contexto da mobilidade moderna e vibrante, nós que somos responsáveis pelo transporte de milhares de pessoas, não podemos ficar parados. A nossa missão é demasiado importante para assumirmos que tudo deve ficar como sempre foi. Não pode! As necessidades das populações mudam a um ritmo frenético, pautado pela evolução e pelo progresso tecnológicos. Por isso, precisamos de uma nova geração da mobilidade onde o táxi faz parte da solução.

Nós somos a nova geração da mobilidade. Lutamos por um serviço de excelência e por melhores condições para todos. Para os motoristas que prestam serviços de mobilidade, que precisam de ferramentas digitais de ponta, e para os passageiros, que precisam de mais eficiência – preços flexíveis, melhores tempos de resposta e um serviço de qualidade inquestionável.

A concorrência é cada vez maior na área da mobilidade e quase todos os dias surgem soluções inovadoras. Ao mesmo tempo, as regras diferem de setor para setor. Queremos fazer parte dos que fazem a diferença e queremos começar pelo táxi e a sua modernização. Está na hora.

Queremos ser a voz de todos os motoristas que, atualmente, não se sentem defendidos ou representados. Queremos ser a voz dos que não se reveem nas críticas por falta de vontade de inovar e de melhorar o setor.

Queremos regras justas e equilibradas para todos, porque só assim poderemos funcionar em verdadeira concorrência. E só assim os consumidores poderão receber o melhor serviço possível.

Queremos ser a nova geração da mobilidade, que inova, que moderniza, que procura ir mais além e, acima de tudo, oferecer um melhor serviço aos seus clientes.
Mudar não é uma opção. É uma obrigação. E mais do que querer, precisamos desta alteração de paradigma.